Feeds:
Artigos
Comentários

Hitman – Agente 47

Sinopse/Resumo

Criado para ser um assassino, o agente 47 (Timothy Olyphant) trabalha para uma misteriosa organização. Mas quando aceita a missão de assassínio de um político que se revela uma armadilha, tem descobrir os cabecilhas da conspiração enquanto protege uma prostituta russa e foge aos serviços secretos russos e à Interpol.

Crítica

Este filme (Hitman – Agente 47) é uma adaptação de um videojogo, Hitman – Codename 47, que eu joguei e por isso tinha alguma curiosidade para o ver. Neste jogo controlamos um assassino clonado a partir da combinação do DNA dos cinco criminosos mais perigosos do mundo, criado para ser o assassino perfeito.

Nesta adaptação ao cinema, tomaram-se algumas liberdades com a origem dos agentes, no filme eles são escolhidos à nascença para se tornarem assassinos impiedosos para uma organização secreta.

O filme está bastante fiel ao jogo, não faltando alguns dos pormenores interessantes do jogo como o modus operandi do agente para desempenhar as suas missões, em que por exemplo tinha de obter determinados uniformes ou desempenhar determinadas tarefas para obter acesso a áreas. O agente 47 mantém o seu ar sério e profissional, sem mostrar muita emoção. Para equilibrar um pouco este tom sério, juntou-se uma mulher à equação, o que está algo fora do contexto do jogo original, mas não chega a comprometer o tom do filme. Inclusive, da falta de jeito do agente 47 para lidar com
mulheres resultam os momentos mais descontraídos do filme.

Em termos de cenas de acção estão bem conseguidas e o agente 47 prova ser uma assassino impiedoso. Para quem
quiser ver um filme de acção non stop e sem grandes preocupações de história este filme é uma boa opção.

2.5 Estrelas

2,5/5 Razoável

Continuar a ler »

Estreias da Semana

Em Destaque:

Este País Não é Para Velhos

No oeste do Texas, na década de 80, Llewelyn Moss (Josh Brolin) descobre o cenário de uma transacção de droga que correu muito mal. Resultado: vários mortos, uma grande quantidade de heroína e uma mala com 2 milhões de dólares, que leva consigo. Grande erro, pois no encalço desta mala, estão Anton Chigurh (Javier Bardem), um assassino psicótico sem senso de humor e piedade e Carson Wells (Woody Harrelson), um caçador de prémios. Será que o xerife local, Ed Tom Bell (Tommy Lee Jones) vai conseguir impedir um desfecho sangrento para Llewelyn Moss?

Outros:

“Acordado”

“Diário de Uma Nanny”

“Garage”

“Penelope”

“Seda”

Continuar a ler »

10.000 B.C. – Trailer

O novo filme de Roland Emmerich, 10,000 B.C., tem um trailer novo, apresentado abaixo. Este filme segue a viagem épica de um caçador de mamutes através de território desconhecido para garantir o seguro da sua tribo,

Continuar a ler »

I’m F*cking Matt Damon

A internet leva a que se gerem fenómenos engraçados de “sucessos virais” de vídeos e das suas respostas.

O que se segue é um destes fenómenos, que começou com um vídeo feito pela Sarah Silverman a anunciar a Jimmy Kimmel (o seu namorado) a sua “traição” com o Matt Damon. O Jimmy Kimmel não quis ficar atrás e superou-a com um ainda melhor vídeo de vingança.

O Kevin Smith, realizador de filmes como Jay and Silent Bob Strike Again, aproveitou para fazer um paródia a estes vídeos em promoção do seu próximo filme, Zack And Mimi Make A Porno, com Seth Rogen e Elizabeth Banks.

Sarah Silverman – “I’m F*cking Matt Damon” on Jimmy Kimmel

Jimmy Kimmel – I’m Fucking Ben Affleck

Continuar a ler »

Óscares 2008


O grande vencedor dos Óscares 2008 foi o filme Este País Não é Para Velhos, dos irmãos Cohen, que foi premiado com os prémios de Melhor Filme, Realização, Actor Principal (Daniel Day-Lewis) e Secundário (Javier Bardem) e Melhor Argumento Adaptado. A lista dos premiados é a seguinte:

Melhor Filme: Este País Não é Para Velhos (No Country for Old Men) de Ethan e Joel Coen

Melhor Realização: Ethan & Joel Coen, pelo filme “Este País Não é Para Velhos” (No Country For Old Men).

Melhor Actor Principal: Daniel Day-Lewis (pelo filme “Haverá Sangue”)

Melhor Actriz Principal: Marion Cotillard (pelo filme “La Vie En Rose”)

Melhor Actor Secundário: Javier Bardem (No Country For Old Men)

Melhor Actriz Secundária: Tilda Swinton (pelo filme “Michael Clayton)

Melhor Argumento Original: Diablo Cody (pelo filme “Juno”)

Melhor Argumento Adaptado: No Country For Old MenMelhor Filme de Animação: Ratatouille, de Brad Bird

Melhor Filme Estrangeiro: The Counterfeiters (Áustria)

Melhor Documentário: Taxi To The Dark Side

Melhor Curta-Metragem: Le Mozart Des Pickpockets

Melhor Curta- Metragem Documental: Freeheld

Melhor Curta de Animação: Peter And The Wolf

Melhor Fotografia: There Will Be Blood

Melhores Efeitos Especiais: The Golden Compass (A Bússola Dourada)

Melhor Montagem: The Bourne Ultimatum

Melhor guarda-roupa: Elizabeth – The Golden Age

Melhor Maquilhagem: La Vie En Rose

Melhor Direcção Artística: Sweeney Todd – The Demon Barber Of Fleet Street

Melhor Montagem de Som: The Bourne Ultimatum

Melhores Efeitos Sonoros: The Bourne Ultimatum

Melhor Canção: “Falling Slowly”, Once

Prémio Carreira: Robert Boyle

Banda Sonora Atonement

Lista complete de premiados e nomeados

Estreias da Semana

Em Destaque:

 

Persepólis

 

 

 

 

 

 

Juno

 

 

 

 

 

 

Michael Clayton – Uma Questão de Consciência

Michael Clayton é um fixer, encarregado de resolver as situações sujas de uma empresa de advogados em New York. Embora insatisfeito com este rumo da sua vida, tem de o fazer devido a insucessos na sua vida (divórcio e problemas de dinheiro). Entretanto, vai ter de resolver um caso de grande importância da sua empresa que envolve um acordo milionário, em que o advogado que lidera o caso, angustiado com a culpa, sabota o caso.

Ver Crítica

Continuar a ler »

Knight Rider (de 2008)

1,5/5 – Muito Fraco

Sinopse/Resumo

Knight Rider (2008) é o regresso da famosa série dos anos 80, Knight Rider, num filme que continua a história das séries anteriores. Este filme de TV serve como episódio piloto para uma possível nova série.

Como fã da velhinha série, vi este filme por pura curiosidade. Desiludiu-me imenso e a abordagem escolhida é mais de filme de acção para adolescentes, muito na onda do também horrível Transformers.

No geral, a escrita é péssima, destacando-se os seguintes aspectos que falham/não se enquadram de todo com o espírito da série antiga:

  • Demasiadas personagens sem qualquer interesse, apenas tentando atingir alguma profundidade dramática que nunca é atingida, e as personagens não são suficientemente desenvolvidas.
  • O “Michael Knight” desta série, Mike Traceur, é apresentado como estando na universidade, e logo quando aparece está na cama com duas “colegiais”! Além disso, a sua personagem não tem grandes escrúpulos, estando a dever dinheiro e é imaturo. Não é o tipo de personagem de que se goste, ao contrário do Michael Knight.
  • A polícia desta série é também apresentada de uma forma completamente ridícula, na sua casa na praia, numa cena de bikini, e a despedir-se da conquista da noite anterior, uma mulher, o que não tem qualquer relevo para a história, apenas parecendo uma tentativa de cativar um público diferente.
  • Os próprios efeitos especiais da série não impressionam nada!
  • A escrita tem imensas falhas, situações estúpidas, más piadas, cenas de bikini e afins gratuitas!

Continuar a ler »